29 de setembro de 2009

Da perfeição dos outros

Parece que na vida a gente não pode errar. Temos que passar por 80 anos e não deslizar em nada. Nascidos, ali, na saída do ventre da mãe, já não podemos suspirar errado. E se não vem o choro, mais virtude dos fracos do que benesse dos sensíveis, já estará errado.

E o mundo prega aos sete ventos que “pros erros há o perdão”. Mas erre, e que seja só uma vez, e já estará condenado. Nas exceções - pouco legítimas- a benevolência de quem concede o perdão se encerra na mediocridade, pois seremos lembrados do erro e da misericórdia.

E a carga amarga de quem já nasceu errado não se alivia. Somam-se a ela as pequenas falhas diárias, os enganos sinceros, as escolhas que pareceram sensatas. E ainda há os falsos acertos, que a gente comete em nome de outros. E já no momento seguinte, quando a utilidade daquele se encerra, se transforma em desacerto.

Não se engane. No fim da vida seremos um grande borrão. Uma marca enorme de borracha num caderno qualquer. O riscado da caneta naquilo que não desejávamos escrever.
O equívoco. O ocaso. O que não é.

11 comentários:

Nandinha... disse...

"Quando eu nasci veio um Anjo Safado, um chato de um Querubim, que me falou que eu tava predestinado a ser errado assim"

Essa letra me descreve tão bem...

bjus

Natália Corrêa disse...

Eu não queria concordar com seu pessimismo, mas acho que é assim mesmo - na maioria das vezes.
Somos eternizados por nossos erros, dos nossos acertos ninguém nem lembra... A não ser que a gente pague alguém para escrever uma biografia póstuma bem tendenciosa. :P

Erika disse...

E como diria meu querido Ruivo " E se eu fosse o primeiro a prever e poder desistir do que for dar errado, quem então agora eu seria?"

Vinícius Remer disse...

As pessoas se mostram perfeitas, mas nunca são. Vemos diariamente, nesse meio cibernético, o que as pessoas tentam nos empurram: perfeição. Não existem problemas no meio virtual. Prefiro ser menos hipócrita, e acreditar que nossas vidas não são perfeitas... Tô divagando muito já... shaushua
Te sigo
=D

Barbarella disse...

Mundo hipócrita esse nosso né...
Não acho que você seja pessimista...acho que pensas como eu....
Sou realista, as vezes ao extremo...prefiro...
Bjs

Leandro Zayd disse...

É por causa disso que sempre tenho em mente essas idéias:
1.Tudo passa, até uva-passa
2.Na vida tudo é passageiro, menos o motorista
3.Pra quê levar a vida a sério se nascemos de uma gozada
4.É fazendo merda que se aduba a vida
5.Errar é humano, mas insistir no erro é burrice.
Se misturar todos esses ingredientes, acho o resultado dá uma filosofia de vida bem legal :)

Leite disse...

parece que é assim né, mas essa visão também é uma falaha, pois não importe que o erro te condene se você mesmo se perdoar, acho que o que você sente nesse post é muito mais de dentro pra fora, e, por tanto, só cabe a você mudar e melhorar o mundo ao seu redor, o valor das suas atitudes e asignificancia do seu ser.

Bonnie Tyler disse...

E sabe o que é pior? Você tem razão.

Confesso que detesto errar, sou MUITO perfeccionista.

as viciadas disse...

Sou irritantemente perfeccionista.
Errar me contraria. Mas vivo aos tropeços. E como nosso amigo Leandro lá de cima citou sabiamente é fazendo merda que se aduba a vida, então vamos lá!

Pensei que tinha te linkado.
Essas drogas não estão me fazendo bem. [a parte das drogas é brincadeira]

Beijooones,L.

Tchelo disse...

Dizer o que está Certo e Errado é uma avaliação muito pessoal.
Apesar de existirem diversos padrões e de sermos criados para nunca errar ou quebrar "regras".
Aprendi a não ligar para o julgamento que fazem de minha passoa. XD
Me permito ARRISCAR!
Só me arrependo quando não faço e olhe lá hein...

Aninha Leme disse...

Se conseguirmos uma vez na vida fazermos um grande feito, eliminaremos qualquer possibilidade de virarmos um borrão.
E que autoestima teríamos se nos considerássemos um futuro borrão? Minha auto crítica não me permitiria jamais rs
Enfim, feliz daqueles que se consideram um ponto fora da estatística, que se consideram diferentes e merecedores.

né messs?

besoss